Notícias


01 de dezembro de 2023

Reforma tributária: menos empregos e exportação de tributos

 

 

A reforma tributária é uma oportunidade para repensar e aprimorar o sistema tributário, ao promover a simplificação, a eficiência e a justiça fiscal. No entanto, é imperativo considerar as particularidades de cada setor econômico para evitar impactos negativos e garantir que as mudanças promovam o desenvolvimento sustentável. Na votação da PEC 45, a Câmara dos Deputados tem a oportunidade de evitar medidas que seguem no sentido contrário, prejudicam a criação de empregos e promovem a exportação de tributos.

Temas estranhos à reforma têm potencial certeiro para gerar insegurança jurídica, inflação e afastar investimentos para setores estratégicos, como a indústria da mineração. O texto traz óbices à sua expansão, justamente quando o país e o mundo traçam ações para acelerar a transição energética. Sem expandir a oferta desses minérios – caso do ferro, nióbio, cobre, tântalo, lítio, bauxita, terras-raras, entre outros – não será possível fazer frente aos efeitos danosos das mudanças climáticas porque não existe fonte de energia limpa e renovável que não demande minerais em seu desenvolvimento e em sua operação. A sociedade saberá responsabilizar quem se opor a isso.

Um dos pontos prejudiciais à mineração do Brasil – e, portanto, favoráveis à mineração de países concorrentes – é o Artigo 136 da PEC 45. Ele mantém as contribuições estaduais para fundos de infraestrutura. A base para seu veto pelos deputados é que essas contribuições são questionadas no Supremo Tribunal Federal quanto à sua constitucionalidade. Elas oneram produtos primários e semielaborados e as exportações e, portanto, resultam em aumento da carga tributária.

O texto ainda cria mais uma ‘jabuticaba’, ou seja, impõe a taxação do Imposto Seletivo (IS) à mineração, o que só existiria no Brasil, como a famosa fruta. É o que estabelece o Artigo 153. É algo desconectado da realidade mundial e pode resultar em inflação, aumento da carga tributária e fuga de investimentos. É um desestímulo ao crescimento econômico. Isso porque a mineração atrai bilhões de dólares de investimentos anuais e recolhe valores igualmente expressivos em tributos e encargos. Representa quase 5% do PIB e emprega 2,5 milhões de pessoas. E, ainda, é um dos expoentes do superávit da balança comercial.

Um forte argumento para a Câmara vetar este dispositivo é que a cobrança do IS – impacto ambiental da atividade mineral – já é objeto da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM). Ela está prevista na Constituição e a cobrança adicional, portanto, não se justifica.

A judicialização bate à porta da reforma tributária e os deputados têm a oportunidade para evitar esta situação, que não traz vantagens a ninguém. Assim, não estarão simplesmente atendendo a pleitos do setor mineral, mas beneficiando diretamente a própria economia nacional, em especial, diversas cadeias produtivas, que não querem arcar com eventuais aumentos de custos dos insumos minerais em seus processos produtivos. Uma situação que pode vir a afetar o bolso dos consumidores.

A reforma tributária é uma oportunidade para o Brasil avançar em direção a uma economia mais racional e eficiente. No entanto, é crucial que a reforma seja implementada de maneira a promover a segurança jurídica, a atração de investimentos e o crescimento econômico, sem aumentar a carga tributária ou gerar inflação. O setor de mineração, em particular, desempenha um papel crucial na economia brasileira e deve ser considerado de maneira adequada na reforma, o que o atual texto da PEC 45 não o faz.

Fonte: Congresso em Foco

Aniversariantes do mês


fevereiro 2024

  • 01 TANISE BIGUELINI DE ARAUJO
  • 01 CLEONILSON MOURA DA SILVA
  • 01 ROGELIO DRAGO PELOSI JUCA
  • 01 INALDA DE ARAUJO BEZERRA MARINHO
  • 02 ALDEMIR PEREIRA DA ROCHA
  • 02 SEVERINA MARNIZA FERREIRA DANTAS DO VALE
  • 02 FRANCISCO ERNANDES DA CUNHA
  • 03 RAIMUNDO BEZERRA FILHO
  • 03 ERIDAN CAMARA DA SILVA GAMA
  • 03 LUIZ GONZAGA DE ANDRARE
  • 03 GELSON DE CASTRO LEONI
  • 04 ANTONIO FERREIRA DO ROSARIO FILHO
  • 05 MARIA LILITA SOARES MEDEIROS
  • 05 JOSE JUVENAL DE MACEDO
  • 05 LILIAN REGINA DE SOUZA MARINHO TRINDADE
  • 06 SALETTE PIRES DA NOBREGA NELSON
  • 07 WALDEMAR ROBERTO MORAIS DA SILVA
  • 07 TACINILDO LUCAS PEGADO
  • 07 JOSE VIEIRA DE FIGUEIREDO
  • 08 FRANCISCA FRANCINETT MAIA DE MELO
  • 08 MARCIO MARCOS DE MEDEIROS
  • 08 FLAVIUS VINICIUS RIBEIRO DA SILVEIRA
  • 09 FRIDA MARIA GOMES DE VASCONCELOS COSTA
  • 09 NECI DE FREITAS CAVALCANTE SANTANA DE SOUZA
  • 09 DAMIANA SATURNINO DE LIMA
  • 09 AIDA MARIA DA COSTA SOUZA
  • 10 LUCIA MARIA BEZERRA DE OLIVEIRA
  • 10 SOLANGE LEITE DA COSTA
  • 10 VANIA CAMARGO ALVES LOPES
  • 11 DALZENIR LEITE DE QUEIROZ BARROS
  • 11 MARIA EDUARDA PINTO NASCIMENTO
  • 11 GEORGE ESCOLASTICO BEZERRA
  • 12 CARLOS ALBERTO FREIRE DA COSTA
  • 12 FERNANDO ANTONIO BELARMINO DE MEDEIROS
  • 14 RAIMUNDO NONATO DE CARVALHO
  • 14 JOSE HERISBERTO PEDROSA DO NASCIMENTO
  • 15 ANTONIO ALVES SEVERIANO
  • 16 RUBENS OLIVEIRA DA CUNHA
  • 16 DEBORA MARILIA DA ROCHA MACHADO
  • 16 FABIO CAVALCANTE ROCHA
  • 17 JOSE ALVES SOARES
  • 17 SALVINA DA SILVA BAY DE ANDRADE
  • 17 DERANCE AMARAL ROLIM
  • 17 CARLOS LINNEU TORRES FERNANDES DA COSTA
  • 17 MYLENE MARIA REVOREDO PEREIRA DA COSTA
  • 18 MARIA BETANIA VALE
  • 19 CELIA MARIA DA SILVA ARAUJO
  • 19 ANTONIA SELMA DE ALMEIDA FLORENTINO
  • 21 MARIA DILA DE ARAUJO NOGUEIRA
  • 21 JOSE PEREIRA DE CARVALHO JUNIOR
  • 21 WELLINGTON BEZERRA DA COSTA
  • 22 JOAO MARIA DAVIM DA SILVEIRA
  • 22 MARIA DOS SANTOS DANTAS
  • 22 ADERSON DE FREITAS BARROS
  • 23 JOSE MARTINS DA SILVA FILHO
  • 24 JULIO BASILIO DO NASCIMENTO FILHO
  • 25 LUIZ TEIXEIRA GUIMARAES JUNIOR
  • 26 CARLOS ALBERTO DA SILVA
  • 26 MARIA DO SOCORRO FREITAS DE MEDEIROS
  • 27 CLOTILDE MARIA GURGEL DE MEDEIROS
  • 27 LISYMA SOARES FELISMINO
  • 27 FRANCISCA MIRIAM SILVA
  • 27 ELIZABETH EDINALDA FERNANDES
  • 28 HELIAN HACASSIA ALVES SCHWENGBER
  • 28 SEBASTIAO AMORIM DE SOUZA
  • 28 JOSE FERNANDES DA SILVEIRA

instagram